4.7.12

CVV

Centro de Valorização da Vida, Sílvia, boa noite. Como vai você?

Uma merda.

Acalme-se.

Como você se chama mesmo?

Sílvia. Acalme-se. Eu posso te ajudar. Como você se chama?

Sílvia, a pessoa fude... estragou minha vida.

O que aconteceu?

A pessoa terminou o relacionamento, assim, como se desabotoasse o botão de uma camisa.

Vocês estavam juntos há muito tempo?

Estamos. Eu não consigo mais me desprender.

Acalme-se. Respire fundo.

A pessoa abriu meu peito, escancarou meu coração e deixou igual um queijo suíço, cheio de buracos.

Onde você está nesse momento?

Na merda. Eu estou na merda.

Acalme-se, você está em casa?

Estou decidindo se tomo chumbinho ou pulo do vigésimo segundo andar.

Você está em casa. Acalme-se. Escuta.

O que foi que eu fiz para merecer isso?

Acalme-se. Qual o seu nome?

...

(o celular da vítima foi encontrado, horas depois, no jardim do edifício na noite do último sábado. No visor, um torpedo: Eu te amo. Vamos conversar?)

5 comentários:

Aida Polimeni disse...

ai, meu coração

Eduardo Araújo disse...

Diálogos extraordinários, mas o final me decepciou. Por que não fazer feito o CVV, valorizar a vida do personagem dando mais fôlego ao seu diálogo. Não será a Silvia uma mulher solitária?

Edu/revide

João Gomes disse...

Amei! Achei muito inteligente e engraçado. Vou divulgar no mural do meu Facebook.

laís sampaio disse...

uou!

Danilo Moreira disse...

Nossa, se eu entendi bem, a operadora não entregou a mensagem a tempo de ela se matar... isso é que eu chamo de tragédia! rs

Genial! Parabéns!

Abçs,
Danilo Moreira
http://blogpontotres.blogspot.com.br/