1.6.12

Fantástico

Ela tinha dez aninhos, mas já era uma mulher. Grandona. Cabelos dourados, rosto redondo. Sardas saltavam nas bochechas. Já usava batom e botas com salto. Chamava a atenção na rua. Todo mundo soltava um risinho como se dissesse: que gracinha. A mais bonita, era sempre escolhida para ser a oradora dos eventos da escola. Nas férias, na casa de praia, todo mundo dizia: está uma mocinha, seu Alberto. Os concursos do bairro, ganhava todos. Garota isso, garota aquilo. Os garotos queriam tirar uma casquinha. Os pais dos garotos, queriam o sorvete inteiro, passavam a mão no queixo, na cintura. A estrela sorria sem jeito. Eu não queria que ninguém chegasse perto da minha pequena. Só podia sentar no meu colo. E no colo dos colegas da firma, que eu confio.

7 comentários:

João Gomes disse...

Eu tava acompanhando tão bem a menininha e no final esse verdadeiro e triste depoimento do pai. Mexeu comigo. Parabéns pelo texto.

João Gomes
https://diariosujo.wordpress.com/

Edilson Cravo disse...

Querido:

Quantas crianças são abusadas neste enorme Brasil de muitas injustiças, Xuxa foi apenas mais uma abusada e corajosa pessoa a revelar seu drama pessoal.
Linda semana.
Abraços e apareça no Lua viu sr..tá mtoo sumido...araaa...rs.

Eduardo Araújo disse...

Xuxa, é você?

Iara disse...

Oi, Cleyton, tudo bem ?
Não conhecia teu blog, passei aqui para agradecer sua generosidade com meus humildes posts lá no Blog dos trinta e agora estou adorando minha visita...gosto muito do ritmo do teus textos,rápidos, curtos e diretos..queria eu saber escrever assim....
bj

Anderson Lopes disse...

São mais desumanos
Os que enxergam malícia nos inocentes.

Bonito blog, velho

Visita aqui: http://palavreandome.blogspot.com.br/

Abraço

Por que você faz poema? disse...

Ser bulinada
é melhor do que sofrer bullying?

Anônimo disse...

Cansou? Blog é abnegação, é labuta diária, não adianta brochar! Tema velho para novo microconto lovistóri:

"Amar é nunca ter que pedir perdão".

Eduardo/revide