15.12.11

Era uma vez

Mickey Mouse no lugar do parto prematuro, Branca de Neve no lugar do derrame cerebral, Pinóquio no lugar do enfisema, Hércules no lugar do câncer de boca, a Pequena Sereia no lugar do envelhecimento precoce da pele, Cinderela no lugar da pneumonia. Também gosto do Pato Donald, do Pluto, do Pateta e do Rei Leão. Toda vez que voinho ia ao centro, ele trazia adesivos dos meus desenhos prediletos. Eu colava no caderno, na parede do meu quarto e no espelho do guarda-roupa. Passávamos a tarde inteira colando adesivos em folhas de papel sulfite, misturando os personagens e criando histórias entre eles. As folhas brancas se transformavam num gibi maluco: Aladin conquistando o coração da Bela, e a Fera se apaixonando por Pocahontas; Ariel namorando com Peter Pan no fundo do mar; Alice matando os 101 Dálmatas no País das Maravilhas; a Bela Adormecida apaixonada pelo Concunda de Notre Dame. E ríamos no final da história. Eu aguardava ansiosa para o sábado chegar e voinho voltar do centro cheio de adesivos. Ele também colecionava. Voinho colava atrás dos cinco maços de cigarro que fumava por dia, para esconder aquelas imagens horríveis. Todo sábado quando volto ao centro, passo no túmulo de voinho para colar um adesivo do Mickey, da Branca de Neve, do Pinóquio.