16.3.11

Despedida

DEIR – Vou. Juro que volto logo.
DEVIR – Vem. Não sei se vai ser fácil não.
DEIR – É rápido. É só fechar os olhos e pronto, já voltei.
DEVIR – Quando voltar traz areinha de praia para mim.
DEIR – Claro! De todas as cores.
DEVIR – Pôxa! Como falarei contigo se lá o celular fica sem sinal?
DEIR – Eu ponho uma concha na orelha e você fala e eu te ouvirei.
DEVIR – Você me acaba com essas poesias.
DEIR – Meu voo. Vem, me dá um abraço.
DEVIR – Voa.
DEIR – Vou.
DEVIR – Vai.
DEIR – Vou.
DEVIR – Volta.

5 comentários:

Sakana-san disse...

Tomara que volte...

Monique Ferraz disse...

ain... fiquei com saudade!

Diário de bordo disse...

Deixou saudades mesmo, mas a volta é tão melhor de se contar.

Eduardo Araújo disse...

As vezes você é simples assim: gênio.

Lucas de Campos Alves disse...

adorei!!!