28.2.11

Sobre fantasias

No Carnaval vale tudo. E no quesito fantasia é que tudo é possível: Mulher Maravilha beijando Esqueleto, Batman pegando na bundinha de Robin, Chiquinha cometendo incesto com Seo Madruga. Vale até fantasia que vira fantasia sexual: homens exibindo seus corpos bombados na roupa do jiu-jitsu, o jaleco do 1º ano de medicina aberto, a roupa colada do grupo de ciclistas.

4 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

E por aí vai, o que não falta são opções e que as pessoas usem e abusem.

Beijo.

Edu O. disse...

tudoi aqui dá tesão. que porra é essa?

jo disse...

fantasiar tira a gente da vida padrão imposta pela sociedade, como se devessemos seguir o manual a risca.Eu acho que festas como estas servem para tirar um pouco da sensatez necessaria para sobrevivência. Acho que vale tudo desde que não se machuque ou machuque alguem.

Berg disse...

Ôôh, faço lutador jiu-jítsu! Rsrss.
Eu acredito que me deparei com essa pergunta e, mesmo desacreditando da seriedade dela irei responder.
Bom, não existe nada a respeito disso nas regras da CBJJ (no caso de uma competição nacional), por que este é um fato improvável.
Como não há nenhuma regra a respeito disso, vai depender do árbitro a decisão de parar a luta ou não.
Acredito que o árbitro não parará a luta, pois provavelmente não vai perceber tal comportamento, pois estará concentrado em outros detalhes mais importantes.
Porém tenho certeza que se um dos lutadores estiver em tal estado, sua integridade física corre um grande risco, pois ele estará em um alto nível de distração, e no Jiu-Jítsu, qualquer distração é fatal.
Não será surpreendente se em um caso destes, o "excitado" sair inconsciente ou com alguma fratura óssea dessa luta.
Enfim, acredito tratei essa questão com seriedade.
Boa sorte! Hehehehe...