4.1.11

Trocando miúdos

Contrafilé. Quem é que está contra quem?

Picanha. Tenho picuinha com ela.

Isso é lavagem de carne suja, mêo.

- Coxão mole é a puta que te pariu! [miúdos vão rolar]

Alho por alho, dente por dente. O tempero do amor é o ciúme.

- Tá pensando que sou carne de terceira?, gritou abanando os braços. Eu sou ponta de agulha, queridinha.

Sua chupa-charque, a outra gritou do lado de lá da rua, você só tem titica de galinha nessa sua cabecinha. Acorde pra Jesus, ele não te ama.

Ultrajada, a mulher traída ficou passada, bem passada [quer dizer, ao ponto]

- Pelo meu homem eu faço das tripas coração, sua galinha.

Tiro na alcatra.

A mulher traída pisou com a ponta do salto na carne moída do seu cérebro. [catraia, quem mandou roubar o marido dos outros?]

8 comentários:

David Cejkinski disse...

HUAUHHUAHUAHU amei!

Edilson Cravo disse...

kkkkkkkkkkkkkk
a vaca foi pro brejo Gsus...rs
Otimoooo.´Abraços queridoo.

Rafael Almeida disse...

e o churrasco é quando?

Katrina disse...

Sanguinolenta

Sentilavras disse...

hahahahahaha gostei!

MARCELO José de Araujo | DE MARCO disse...

Muito bom, Cleyton! Parabéns pela poesia que imprime aos seus textos.


Isto, em nosso país, impressiona vindo de em alguém de sua idade.

Matheus N. disse...

carnificina.

Eduardo Araújo disse...

violência na carne