26.10.10

Sincronizados.

Amanhecendo olhos negros desérticos desaguando em meus olhos-cais. E a insistência em dizer: eu não sei nadar. Amar é deixar-se afogar. Boiar, talvez. Aprende-se a amar amando e a nadar nadando dando certo ou não. É preciso sair do raso. É preciso mergulhar de cabeça. Nado livre, amor livre. Fazer da vida trampolim, amor em suspensão.