3.5.10

Deitados no asfalto, eles só queriam ser felizes.

Deitados no asfalto com o sol na cara, às 6 da manhã, coreografando o trago do cigarro olhando o céu, enquanto os outros pisavam no acelerador achando tudo aquilo estranho. Era preciso deixar os cabelos lavados ao chão. Era preciso deixar a areia colar nas costas. Era preciso estar ali. A cama de concreto e o sorriso caiado recebendo os primeiros raios da manhã. Bêbados e felizes.