10.12.10

Entre-atos

Ensaios

O que me falas não precisa de repetição, embora você faça sempre as mesmas coisas. (não sei explicar, só sei sentir)

Estreia


Nosso amor começou sem acento.

Quarta parede

Enxergando você na platéia agora. E agora, sou personagem ou ator? O tônus das minhas mãos, a força da minha voz, o olhar compenetrado. Estou interpretando ou sendo-me? Todos os olhos em mim e as palavras saindo da minha boca em sua direção.

Deixas

Fiz da pia jarro, cântaro: abri a torneira e pus as rosas que você enviou para o camarim com um cartãozinho e duas palavras (não era “eu te amo.”)

Aplausos

O beijo, o abraço. Os seus, todos.

3 comentários:

Brenno Almeida disse...

um autorretrato, um ideal
um anseio
o real

Marlon Vila Nova disse...

Just Beautiful!

Eduardo Araújo disse...

bello. aplausos.