3.5.10

Deitados no asfalto, eles só queriam ser felizes.

Deitados no asfalto com o sol na cara, às 6 da manhã, coreografando o trago do cigarro olhando o céu, enquanto os outros pisavam no acelerador achando tudo aquilo estranho. Era preciso deixar os cabelos lavados ao chão. Era preciso deixar a areia colar nas costas. Era preciso estar ali. A cama de concreto e o sorriso caiado recebendo os primeiros raios da manhã. Bêbados e felizes.

5 comentários:

Rafael Almeida disse...

Adorei! Muito bom! Que imaginação, hein?

Adriana Gehlen disse...

que momento!

:)

WillDarc disse...

muuuuito bom!! qq semelhança é mera conhecidência...kkkkkkkkkkkkkkkkk, bjus!!! como sempre, arrasando!

laís sampaio disse...

a felicidade chegou aqui no meu quarto!

Elton Menezes Severo disse...

O que é a lombra!
hehehehe
Agora sério: acho que esse texto fala de uma realidade interessante: eles não eram assim tão felizes.
A felicidade para eles era uma condição.
Estava felizes porque estavam bêbados.
A última frase mostra isso. É como se dissesse "Bêbados, portanto felizes". Ao menos, foi o que eu senti.