19.4.10

Nhá Nhá

Era um sábado ensolarado e ela foi ao mercado dentro de um vestido florido, em cima de sandálias baixas, com os cabelos despenteados e uma sacola de feira nas mãos. Se ela não tivesse nome, poderia ser chamada de Alegria. Uma alegria que é diferente de gargalhar, uma alegria que é diferente de ter posse de algo desejoso ou caro demais, uma alegria que não é ganhar na loteria. Você me entende, caro leitor, ou quer que eu faça mais alguma comparação? Tudo bem: uma alegria como a primeira barba, o primeiro encontro, o primeiro banho de mar. Uma alegria que está nas bolotas dos olhos, nas maçãs do rosto, uma alegria assim. Maria José de Mendonça encantava quando passava, e olhe que ela não é a garota de Ipanema não. Ela é da cidade de Matinhos e era conhecida como Nhá Nhá. Entrando em um corredor e saindo noutro, Nhá Nhá escolhia uns versos maduros, caídos do pé, fresquinhos. Apalpava cada rima como boa plantadeira de poesia. Cheirava cada palavra rosa romã com mãos irrigadas de sentimento. Jogava umas palavras que caíram do pé antes do tempo, abortadas na estrofe estéril e colocava na sacola aquelas que tinham um suco substancial, as que dariam um belo ponche-prosa. E saiu do mercado distribuindo poesia por onde passava.

10 comentários:

Mah disse...

gostei do blog, gostei do jeito que vc lida com as palavras, legal!
voltarei mais vezes
bjss

Sir. Diego Albuck disse...

Um maestro,um batuta que delineia com maestria em prosa a pura poética da vida, assim é o poeta e dramaturgo Cleyton Cabral. "Alegria, Alegria" na simplicidade e clareza a música vai sendo entoada pelas breves palavras do autor e pela leveza da personagem. Uma mistura de mito e realidade, de prosa e poesia, de letra e música, de amor e canção, de paixão desembocada no coração de Nhá Nhá. Parabéns

ZECA COELHO disse...

Em particular: Nhá Nhá é prima de Lavanda. Nhá Nhá e Lavanda, fundidas, dariam um ser humano bem legal.

Kyara disse...

belo, direto e sincero como sempre!
gosto.

Elton Menezes Severo disse...

Eu gostei do texto, embora não curta comunicações do autor com o leitor. Prefiro as comunicações indiretas, subentedidas.

laís sampaio disse...

'felicidade não precisa de culpa'

Luis Fabiano disse...

Eu adorei o texto. Ficou muito bacana. Preciso de uma imagem da praça Maciel Pinheiro. Vc não poderia me ajudar nessa empreitada?

bruna disse...

A alegria das pequenas coisas que muitas vezes nem notamos =).
Adorei teu blog, vou seguir
Beijos

Luna Freire disse...

Gostei de Nhá nhá e seus poemas de alegria... Por onde andas que não me visitas mais? Só porque deixei de ser Gedái???

Rodrigo disse...

Nhã Nhã