7.1.10

míope

Enxerga-te no reflexo das lentes dos meus óculos. Onde está quem era você no dia em que apareceu em minha vida? Dá-me tua mão, quero pular dessa ponte-coração e fazer das tripas tripulação. Segura e não solta, não solta e segura. Deixa o vento forte entrar em nossos calções. Vamos virar balão? Pra subir é preciso fogo. Joguemos nossos corpos brasas. Contigo, turbulência é música de ninar, trovão é frevo e chuva ácida é valsa. Tu, fenômeno da natureza. Eu, verbo. vamos conjugar todos os os nossos desejos? Onde está quem era você no dia em que apareceu em minha vida? Enxerga-te no reflexo das lentes dos meus óculos.

7 comentários:

Kyara disse...

pela lente dos óculos se enxerga coisas lindas!

Mikaele Tavares disse...

Olhe com os olhos da vida..
Beijos

Marlon Vila Nova disse...

Lindoooo! Muito lindo!

Katrina disse...

Triste, para mim, que não uso lentes

Sakana-san disse...

Óculos são definitivamente a proteção da minha alma...

Lai Paiva disse...

Ah como eu queria conjugar todos os meus desejos... Muito bom este, querido. Adorei. Bjs

Daniel Cisneiros disse...

Ah como eu queria conjugar todos os meus desejos. [2]