11.6.09

talvez sim talvez não.

Amanhã, andarei com o mesmo allstar branco quase preto, pulando poças d’água, desviando dos carros e com a mochila verde-petróleo nas costas. No percurso para o trabalho, talvez mude o caminho como sempre, e darei bom dia a quem não conheço e talvez nem olhe no rosto dos desconhecidos como quase sempre. Talvez me molhe de chuva ou fique aguardando ela passar embaixo de uma árvore ou caminhe a passos largos, quase correndo para ouvir o barulho da porta de vidro acionando para eu entrar e fazer pressão com os pés no tapete como de costume. Tomarei o café quente que o moço da agência faz para contrastar com o frio que faz na sala. Entre ligar o computador e organizar a mesa talvez eu receba um torpedo no celular. Talvez eu desista de malhar na hora do almoço e talvez eu devore aquele pudim delicioso que paquera comigo sem cessar. Amanhã é dia dos namorados? Então quero um amor de presente.