25.5.09

historinhas reais.

Era uma vez uma garota de seis anos. Ela era princesa até nos sapatinhos vermelhos. Gostava de pintar e brincar e de cortar figuras de revistas e colar em um papel branco - poderia ser uma grande cineasta, diretora de arte, fotógrafa ou afins no campo da comunicação e arte - e morava com a mãe e o padrasto em um bairro nobre. Sua mãe era cardiologista e trabalhava cuidando do coração de muita gente. Seu padrasto, advogado, trabalhava com leis e nas horas vagas as desafiavam brincando com Júlia. O príncipe dessa história se transformara em fera e a Bela Júlia cansou de ser a menininha dos contos de fadas. Pendurou seus sapatinhos no varal e sumiu. O homem do Direito mexia com o coração da cardiologista e com várias partes do corpo da princesa Júlia.