19.4.09

prefácio

O desejo dele era escrever uma história instigante. Dessas que lemos a orelha do livro e ficamos com a pulga atrás dela para querer saber até onde vai dar. Uma história com começo, meio e fim. Não necessariamente nesta ordem. Uma história emocionante. Com ritmo, ação, com dez personagens ou com apenas um, na primeira ou na terceira pessoa. Um lugar bonito, numa floresta, numa rua movimentada, dentro de um apartamento. Um lugar feio, um porão, uma casa sem teto e sem chão. Numa aldeia, num castelo medieval, numa praia deserta. Uma história boa. Que em cada pedacinho de vida das personagens , o leitor fique mais perto, participando, defendendo ou condenando, caminhando os olhos em cada linha como se estivesse ali. Se necessário fosse, encher as bolotas d’água. Uma história bonita. De fadas, de reis, de amizade, de amor.