17.11.09

Felipe, pai, amigo, irmão, Botelhudo,

Qualquer coisa que eu escreva aqui pode parecer clichê. Desejar toda a felicidade do mundo, por exemplo. É óbvio, que não apenas no aniversário, mas o ano todo eu desejaria isso pra você. Afinal, todo mundo merece as coisinhas boas desse mundo né? O que posso dizer, sem arrodeios, é que você é muiiiito especial, taí outro clichê. E eu tenho a sorte de ser seu amigo, contar com você, sonhar. Mais clichês. E que fodam-se os clichês. E viva você! Seu sorriso e seu abraço são os maiores presentes que qualquer ser faria questão de ganhar. Clichê. (risos). Ó, eu te amo. Tem clichê melhor? Parabéns!

Cleyton Cabral, seu filho e seu amigo.

6 comentários:

Luiz Felipe Botelho disse...

Corei!
Mas todo filho que se preza sabe desmontar um pai quando abre o coração pra deixar os clichês sairem e imprimir uma composição inédita. O clichê sozinho é igual a ele mesmo. Vários clichês juntos, montados com alma, se transformam em tradução não literal do que a gente tem de melhor e que as palavras, sozinhas, jamais poderão traduzir. Te agradeço, filhão, me desmontando e emoção. Adoro isso.

Luiz Felipe Botelho disse...

Ah, no meio do desmonte emocional, esqueci de um registro importante: te amo muito também!
abração pra ti

Marcelo Mayer disse...

merecido todos os clichês

.lucas disse...

nossa, emocionei com as respostas.

Kyara disse...

Que coisa mais linda de vocês dois!
Emociona de ver e sentir cada palavra, cada significado.
Beijos

Luna Sanchez disse...

Lindo, lindo!

ℓυηα