31.3.09

Bem-me-quer-bem, mal-me-quer-mal.

Atendeu o telefone que não tocou e ensaiou um diálogo:

- Bem, se mal te perguntes, ainda me queres?
- Podemos tomar algo, uma cerveja ou um licor.
- Prefiro a embriaguez dos teus lábios.
- Podemos ouvir um jazz ou um blues.
- Prefiro a valsa dos teus abraços.
- Podemos fazer uma viagem à praia ou ao campo.
- Prefiro me perder na geografia do teu corpo.

E o telefone tocou de verdade, era seu pai:

- Alô?
- Oi filha, você está bem?
- Tomei uma dose de licor de chocolate, ouvi quatro ou cinco músicas da Billie Holiday e apanhei umas estrelas na prainha dali.
- Comprei uns discos pra você.
- Ok.
- Você está bem?!
- Tomei uma dose de licor de chocolate, ouvi quatro ou cinco músicas da Billie Holiday e apanhei umas estrelas na prainha dali.

7 comentários:

Lili disse...

aha
=)

ah, obrigada, apareça por lá então...
não tenho produzido mto... nem de ver, nem de ler, mas enfim...

já tinha olhado aqui antes, acho engraçado... só não tinha passado de ensaiar comentário.

MARCOS disse...

precisa entender? kkkkkkkkkkkkkkk
o melhor: era seu pai...
outra coisa, essa mistura dá lexotan, não?
sequinha ela, hem?

MARCOS disse...

escuta...eu li de novo e acho que olhei do ponto de vista errado...achei lindo, poético, admirável e além de, como sempre, revelador!

disse...

Eu me sentiria satisfeita com chocolate.

Fabíola disse...

tá bonito, hein...tá digno. Bom bom bommmm...adoro ler coisa boa.

Cleyton disse...

Lili: Volte mais vezes.
Marquito: Não era meu pai. E ele tá lá no céuu.
Fê: eu preferia um capuccino.
Fabi: minha leitora assídua, gosto tuas visitas.

Bela disse...

Que lindo, vc anda inspirado hein?!!!
Abraços moço.