11.2.09

1º ato.

- Ah, você tem que me dar flores na minha estreia...
- As flores morrem, murcham...
- Aceito as de plástico. As de plástico não morrem, já diziam os Titãs.
- São artificiais. Gosta de sentimentos artificiais?
- Se dadas com verdade se assemelham às naturais. Depende de quem as der. Prefiro um improviso verdadeiro.
- Não gosto de improvisos.
- Então vamos ensaiar para não dar um branco.

(as cortinas se fecham)

10 comentários:

Luciana Pontual disse...

Acho que a troca é bem mais interessante...

Emerson Souza disse...

Vamos o segundo ato...

Adriana Gehlen disse...

ai
flores de plástico são o uó.

Daniel Cisneiros disse...

Tô meio lento hoje! Gostei, mas se tinha "sentidos ocultos", não os desvendei.

Abração!
^^

Daniel Cisneiros disse...

Passa no meu blog que deixei um selo pra você.
Abração!
^^

Babi Mello disse...

Muito legal a nossa profissão, mas o mercadinho fechado e complicado també. Entrei no seu blog de redação publicitária achei muito criativa as peças. O post com o tema da música que beijinho doce... muito engraçado.
As flores não importam serem de plásticos ou mesmo naturais o importante é como são dadas.
Vou passar mais por aqui.
Abraços!

De nascimento, Silva. disse...

Pedras dadas com sentimento, me tocam mais que belas flores natuarais.

Jaqueline disse...

kkkkkkk... Q coisa, não!
"Não gosto de improvisos!
rsrs...
Beijos

PS.: Vamos o segundo ato... [2]

Babi Mello disse...

Eu trabalho com publicidade na Assessoria de Imprensa do Tribunal de Contas de Mato Grosso e qdo surge trabalhos faço free lance. O mercado daqui é complicado sabe e pelo que vi de suas peças, você cria para grandes marcas não é mesmo.
Abraços!

t. disse...

ninguém dá flores pros artistas, só para os atores. mas os atores sempre foram mais afetados que os artistas.