7.11.08

Dos Voyeurismos.


Pensavam que não tinha ninguém por perto. E eu estava logo ali. Nem tão perto nem tão longe, uns 5 metros, mas eu vi tudo. Fazia calor naquela tarde e eu tomava um café e não tirava os olhos do acontecimento. Fez sinal com a cabeça como que dizendo “sim” e se aproximou. Tocaram-se e começaram a fazer amor. Eu estava vendo tudo, voyeur que sou continuei sem hesitar. Será que me viam? Não tinham vergonha? Mas o sexo é algo tão sublime, troca mútua (nem sempre!) de energia... mas assim na frente do outros? Na minha frente. Era um convite? Fetiche de serem vistos no ato? Desejo de convidar mais alguém para uma Ménage à trois?
Bom, continuei tomando meu café e não estava excitado, não haveria de quê.
Afinal de contas meu olhar era de uma criança, pura e casta. Não faça essa cara leitor, é verdade. Continuando: balançava a cabeça pra cima e pra baixo, e eu imaginava ela falando: me joga na parede, me joga na parede. Só que eu não ouvia nada, nada. Só fiquei observando o sexo das duas lagartixas em cima do muro daqui da agência. Engraçado isso, transando na frente dos outros. Na minha frente.